quarta-feira, 19 de abril de 2017

Wake up call



Digo constantemente que o sofrimento pelo qual estou a passar nada tem a ver com aquele pelo qual passei há sete anos atrás, quando terminei um relacionamento de 10 anos e com ele toda a minha vida conforme me lembrava, ao mesmo tempo que não sabia o que fazer com a licenciatura que tinha acabado de tirar. Nessa altura sofri como não achava humanamente possível, perdi o apetite, a alegria de viver, deixei de ser a pessoa alegre e bem disposta que sempre fui. Sentia-me miserável.
Tenho dito sempre que nada do que estou a passar agora se compara ao que já passei. Até ao dia em que sinto apoderar-se de mim uma sensação muito - demasiado - semelhante à daqueles tempos. Aquela vontade de desistir, de ficar quieta no meu canto até a coisa passar. E é nessa altura que sei que atingi o meu limite e que ou faço alguma coisa, ou vou descer aquele (pequeno) degrau que falta para bater bem lá no fundo. E isso eu não posso deixar que aconteça. Não posso e não vou. Está na hora de fazer alguma coisa. Há sete anos fui para França viver uma das (se não a) melhores experiências da minha vida. Vamos lá ver desta vez onde é que a coragem me leva.



[Já comecei a magicar umas ideias...quando a coisa se tornar mais real eu conto-vos]

15 comentários:

  1. Gelatina , sou tua leitora mesmo antes da ida para França !!
    Pensa que depois da tempestade vem a bonança e mereces !!!

    Bjs Sofia

    ResponderEliminar
  2. Está bem dificil entender a situação pelo pouco que vais partilhando. O que parece é que há ali aquele limbo, um "dar um tempo" para ver no que a coisa dá. Não interessa ao caso, mas se assim for, juro que não sei como consegues. Esta situação já se arrasta há uns tempos e não sei como é possível viveres assim. Eu e o meu namorado tivemos uma fase em que nos desencontramos e terminamos o namoro por 3 meses, mas antes disso tivemos umas 2 semanas nesse limbo e foi bem pior do que ter terminado a relação. Porque é aquele não saber o que se passa, o que se vai passar... Não dá para seguir em frente, esquecer, viver a vida. Fica-se ali em standby à espera da má notícia. Não dá para mim. Felizmente para nós, foi só uma fase e depois retomamos o namoro. Mas foram tempos bem difíceis e não sei como as pessoas conseguem "dar um tempo"! Só espero que a tua situação se resolva rapidamente, para acabar com este sofrimento da incerteza que, para mim, é o pior. Boa sorte e muita força!

    ResponderEliminar
  3. Gelatina como a "M" disse em cima é dificil entender mas achei o comentário dela bastante inteligente. Já agora leste o post que "a melhor amiga da Barbie" escreveu hoje?
    Paula

    ResponderEliminar
  4. Que sofrimento... Arruma todos esses assuntos o mais depressa possível. Não te permitas ficar mais tempo nesse sufoco.
    Um grande beijinho e força!

    Conterrânea M.

    ResponderEliminar
  5. puxa, a minha situação é um bocadinho diferente mas percebo exactamente o que estás a sentir. eu estou a sofrer há muito tempo (mas por alguém que não merece) e sinto-me a chegar a um ponto de ruptura, dou por mim a chorar a toda a hora, sem força e vontade para nada, e não sei como mudar isto. acho que tb estou a precisar de uma mudança total para conseguir seguir em frente, mas falta-me a coragem :( espero que corra tudo bem contigo! bjnhs

    ResponderEliminar
  6. Gelatina, tu saberás o que será melhor para ti. Por experiência própria de quem teve um namoro que terminou ao fim de 11 anos (experiência parecida com a tua primeira e também no fim da licenciatura), posso dizer-te que sou do género de chorar e gritar uma semana e depois feito o luto vou em frente. Bem sei que a paciência é uma virtude, mas, para mim, numa relação de namoro ou casamento não pode haver dúvidas. Eu, pelo menos, ficaria sempre à espera da próxima vez.

    ResponderEliminar
  7. Não consigo saber bem pelo que passas, porque já levo 12 anos disto e nunca terminámos assim "a sério"...
    Mas acredito que não deva ser fácil, principalmente pela habituação. Não que não existisse o resto, mas os hábitos existem sempre.
    Acredito que vais superar, tu és forte.

    E vai onde o coração te leva.

    Beijocas

    ResponderEliminar
  8. Mudar de ares é a melhor coisa que podes fazer, e tu sabes disso, precisamente pela experiência que já tiveste!
    Há 7 anos decidi fazer Erasmus em Madrid para sair da minha terra e não estar sempre a pensar na pessoa de quem gostava. Queria esquecê-lo. Efetivamente não o esqueci (e aliás, voltámos a namorar e casámos no ano passado! as voltas que a vida dá!), mas consegui organizar as ideias, passar a ver a vida de outra forma, dar mais valor a mim própria e vivi uma experiência fantástica durante 5 meses, que se não fosse o desgosto amoroso provavelmente nunca teria tido coragem para o fazer!

    Vai em frente, sem medo :)

    ResponderEliminar
  9. Força... espero que corra tudo bem!

    ResponderEliminar
  10. Fico mesmo feliz que estejas com toda essa força de vontade :) Quero saber dessas ideias!

    Um grande beijinho, querida :*

    ResponderEliminar
  11. Isto soa-me a coisa bem complicada, mas hey! Força nisso! É bom que estejas com vontade de fazer coisas novas! Vai há aventura!

    Beijinhos, adorei o blog e estou a seguir! Segue-me também ;)

    TheNotSoGirlyGirl // Instagram // Facebook

    ResponderEliminar
  12. Que encontres a força e a coragem que precisas. Um beijinho

    ResponderEliminar
  13. Que tenhas força para mudar, arriscar e seres feliz. Muitos sorrisos é o que te desejo. Beijinhos!

    ResponderEliminar
  14. Temos a mesma idade e há 7 anos foste uma inspiração para mim. Tal como tu, uma desilusão atirou-me para o projecto au pair. Hoje só tenho a agradecer por isso.
    Hoje aos 30 não me imagino com a mesma coragem que tive aos 25. A tua hesitação é normal, o teu eventual "comodismo" é compreensível.
    Não te martirizes demasiado, estás a tentar fazer o melhor para ti e para todos.

    ResponderEliminar