segunda-feira, 29 de Setembro de 2014

Maré de incompetência (ou um desabafo em modo testamento)

Este ano, para não variar, marquei a passagem para ir a casa no Natal/passagem de ano com 11 meses de antecedência. Marquei o regresso para dia 1 de janeiro às 20h, na TAP. Ora, a TAP de há uns tempos para cá acha piada em fazer uma brincadeira aos clientes, que consiste em mudar o horário do voo conforme lhes apetece. Em Agosto recebi mail a dizer que tinha sido alterado para as 21h. Tudo bem, engoli. Afinal de contas era só uma hora. Pois que há dois dias recebi outro mail a dizer que o meu voo afinal ia ser...às 10h15 da manhã. Ora, se eu quando escolhi o voo tinha a opção de viajar às 10h da manhã, se eu marquei às 20h se calhar queria dizer que...queria viajar às 20h (pessoa complicada, eu, hein?)! Já tratei de fazer reclamação, e já me conseguiram arranjar voo para as 17h (como se me tivessem feito um favor), na falta de melhor. Mas o stress que me puseram em cima já ninguém mo tira.



Na semana passada deixei um macacão na costureira. A senhora mandou-me ir buscá-lo 5a feira. 5a feira lá estava eu e nada da costureira aparecer no balcão. Vi o meu macacão em cima da mesa de trabalho, por arranjar (!), e nada da mulher aparecer, pelo que tive que ir embora. Voltei lá hoje, voltei a esperar pela senhora, para ela me dizer que o meu macacão não estava arranjado porque estragou-se uma peça da máquina. Ora, por acaso eu até moro perto da costureira - acaso que a senhora desconhece, já agora - mas tenho mais que faça do que passar lá a vida. Pelo que amanhã toca a ir lá pela terceira vez...

E esta onde de incompetência é coisa para me tirar do sério. Aliás, tudo o que se traduza em falta de respeito e consideração pelos outros é coisa para me tirar do sério. Porque eu não sou assim, nunca fui assim, e recuso-me a aceitar que sejam assim comigo. De que é que isso me vale, perguntam vocês? De nada, é um facto. Ou melhor, vale-me os anos de vida que eu perco com estas porras.
Agora vou ali ao Pingo Doce e, se o ditado que diz que não há duas sem três estiver certo, temo seriamente o que é que vou trazer para casa. Uma intoxicação alimentar, quem sabe? Era tudo o que eu estava a precisar a três dias de ir viajar com as minhas amigas...

sábado, 27 de Setembro de 2014

Aquele momento delicioso


Em que a minha sobrinha, de 13 meses, olha para mim e desata a chorar (só  e apenas  por me ver).

(ela que não  se ponha a pau, a safada,  que o Natal já  esteve bem mais longe...)

quarta-feira, 24 de Setembro de 2014

Do mau humor


"As mulheres passam dez dias por ano de mau humor", diz o semanário Sol. Um dos motivos pertencentes ao top 5 é "estarem com a neura", diz o mesmo artigo. 
Eu até me considero uma pessoa suportável por regra (mas sou capaz de não ser a melhor pessoa para me avaliar, é um facto) mas digamos que hoje até tive um dia não (em minha defesa, estou naqueles dias).
Ora, estava eu a ler o dito artigo em voz alta ao senhor meu namorado e cheguei a uma parte em que dizia que o exercício físico ajuda a combater este mal, ao que eu lhe disse "Já viste a sorte que tens? Ainda hoje fui correr!". Ele nem precisou falar, a cara dele disse a resposta "Imagina se não tivesses ido"...e desatámos os dois a rir. 
Eu podia ter-lhe atirado uma almofada à cabeça, podia ter sacado duma bela tromba, mas não, ri-me com ele, de mim própria! E ainda ele se queixa...pffff.

terça-feira, 23 de Setembro de 2014

Ninguém merece


Há coisa de dez anos (ou seja, praticamente desde que sou adulta) que pinto o cabelo por obrigação. Com o tempo tenho descoberto estratégias que me permitem pintar o cabelo de dois em dois meses em vez de todos os meses, como fazia antes: fazer o risco para o lado oposto ao que usava (tenho muiito menos brancos num lado do que noutro), por exemplo. Outra dica que me disse uma colega de trabalho e que para certos penteados é bastante útil é pôr um pouco de rímel (da cor do cabelo - no meu caso castanho) nas zonas onde eles são mais evidentes. (alguma dica desse lado, já agora?)
Sei que há coisas bem piores que isto, mas que é chato ter esta rotina obrigatória e estar a inventar "truques" destes aos 27 anos, é. Muito chato.

sábado, 20 de Setembro de 2014

Eu estava sossegadita no meu canto



Quando estas malvadas se cruzaram no meu caminho. E foi amor à primeira vista. Fazem de botins (dá para tirar a parte do cano) e de botas. E - talvez também por isso - não são propriamente baratas. Mas e tirá-las da cabeça agora? Pois.

Vamos esperar para conversar ao vivo e a cores e logo vemos...

quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

Do fim-de-semana passado no outro lado da fronteira

O Workshop acabou no final da manhã de sexta feira, altura em que apanhei o comboio e rumei para França. Cheguei a tempo de ir buscar os meus mini francesinhos à escola. Eles estão com 7 anos (ele) e 9 anos (ela) neste momento.
Confesso que estava cheia de receio que já tivesse passado demasiado tempo para ainda quererem alguma coisa comigo (passaram-se três anos entretanto...) ou que já estivessem demasiado grandes para lamechices, mas tanto um como outro mal me viram vieram a correr para os meus braços. Fiquei com o coração mesmo cheio! E lá rumámos a casa de mãos dadas, um de cada lado.
Entretanto a quantidade de crianças naquela casa já duplicou: neste momento os meus mini francesinhos já têm mais dois irmãos, um com dois anos (que recebeu-me logo como se fossemos amigos de longa data) e uma bebé de cinco meses. Como podem imaginar, aquela casa é uma animação (e confusão também, um pouco). 
Trataram-me tão bem, mimaram-me tanto, deram-me tanta coisa boa para comer, que a única coisa que custou mesmo foi a despedida (que foi mesmo feita de lagrimita no canto do olho).


As fotos que se seguem são do passeio que fizemos todos juntos no Sábado, em Sixt Fer à Cheval.






Mini francesinho e seu pai, ao fundo.

As prendas oferecidas por eles (foi preciso eu ir a França para ter uma pulseira destas, feita pelo meu mini francesinho).

segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

Do Workshop na Suíça (ou pelo menos da parte gira dele)



Passeio por Genebra no dia da chegada, antes da partida para Biel (onde decorreu o workshop).





Já em Biel, no final do primeiro dia de Workshop, tivemos direito a uma recepção especial que, para além destes senhores a tocar para nós, incluiu discurso do presidente da Câmara, que se gabou do facto de Biel ser a 10ª cidade da Suíça, e a maior bilingue (fala-se francês e alemão).

Depois houve direito a passeio de barco com jantar incluído (isto de ir a eventos realizados por um país rico é outra coisa).

No segundo dia, ao final da tarde, houve visita ao Museu da Omega (pena que não deu direito a um relógio).

E ainda tivemos direito a encontrar chocolates em cada esquina que virávamos no hotel (lugar onde decorreu o workshop), a um saco apetrechado com um relógio swatch para cada um, uma caixa de chocolates especial para quem fez apresentação de casos de estudo (afinal sempre valeu o esforço!) e a um grupo de gente muito competente durante o dia e muito amiga de festa durante a noite.
Basicamente, numa palavra: adorei!

sexta-feira, 12 de Setembro de 2014

Felicidade

As conquistas que sabem melhor são,  sem dúvida,  as que dão mais trabalho a alcançar.  E eu hoje estou tão satisfeita comigo mesma, tão feliz! 
Não só consegui efectivamente apresentar um  caso em inglês, sem gaguejar, em frente a pessoas de toda a Europa, como ainda tive direito a ouvir, da parte de uma pessoa do país organizador do evento (Suíça) que a minha apresentação foi uma das melhores (lamento se a partilha soa a arrogância mas eu preciso mesmo de registar este momento da minha vida).
Eu, que sou só uma das pessoas com menos auto confiança à face da Terra, hoje estou orgulhosa de mim própria,  para variar. E tão grata por ter passado por esta provação (que tantas dores de barriga me deu mas) que me mostrou que sim, eu sou capaz.

terça-feira, 9 de Setembro de 2014

Oh pra mim tão fina...


...de partida para a minha primeira viagem de trabalho. 
Confesso que o entusiasmo seria maior se, em aproximadamente 40 países que vão participar no workshop e que submeteram um caso de estudo com a candidatura, o nosso não tivesse sido um dos 7 selecionados para ser apresentado (em inglês, a gente de toda a Europa. eu, que adoro falar em público - not).
A parte melhor da viagem vai ser quando acabar o workshop, já que tive a sorte de se realizar na Suíça e de eu poder ir via Genebra, pelo que o fim-de-semana vai ser passado a encher os meus mini francesinhos (que já não devem ser tão minis quanto isso) de beijinhos, depois de praticamente dois anos sem os ver.

sábado, 6 de Setembro de 2014

Fenómenos do universo feminino


Fui passear para a Baixa de manhã e combinei com o senhor meu namorado que depois falávamos para irmos almoçar juntos. Chegam as 14h e eu, sem ainda ter feito metade do que tinha planeado (ou melhor, sem ter feito nada do que tinha planeado porque entretanto Sôdona Mango e Sôdona Zara, malvadas que só elas, meteram-se no meu caminho), recebo um sms dele a dizer "Tenho fome". Pensei "Fome? Já? Que chatice, ficava mais uma hora nisto" mas como de facto já não era cedo lá fui para o nosso ponto de encontro. Ainda eu nem lá tinha chegado lá quando se apoderou de mim uma fome quase insuportável, fome essa que eu quase aposto que ia continuar contida no lugar onde tinha estado até então se eu tivesse continuado às compras mais um tempo. 
Vá-se lá entender a mente feminina (ou a minha pelo menos, mas penso não estar sozinha nisto).

sexta-feira, 5 de Setembro de 2014

Constatações


Se existir inferno, deve ser qualquer coisa parecida a uma aula de RPM.


(ou as coisas que me passam pela cabeça enquanto faço uma aula, depois de mais de um mês sem sentar o rabo numa bibicleta)

quarta-feira, 3 de Setembro de 2014

Últimos cartuchos das férias (que já lá vão...)

Ainda pelas Flores...



Aqui, sim, nada-se com gosto sem gelar os ossos

Restaurante Pôr-do-Sol. Comida, vista e companhia deliciosas


E já a "meio caminho" de casa (em S. Miguel)...

Um brinde a que as próximas férias cheguem rápido

terça-feira, 2 de Setembro de 2014

Hora de ponta na ilha das Flores


Ou de como ficámos borradinhos de medo no momento em que íamos descansados na nossa vida no carro e apanhámos um bando de vacas que começou a correr, literalmente, em direcção ao nosso carro, tapando a estrada nos dois sentidos. Era senhor namorado em marcha atrás, a fugir, e elas mesmo quase a alcançar-nos. Até que lhes deu na cabeça abrandar e deixar um espacinho, por onde nos escapámos, com o coração aos pulos (sempre à espera do momento em que uma delas se atirava para cima do carro).
Só vos digo uma coisa: quem associa um cenário que meta vacas a pasmaceira, claramente nunca se cruzou com exemplares como estes. Que me-do!

O cenário da foto foi um outro, em que elas estavam completamente paradas e tivemos que dar meia volta para trás. Uma animação, aquelas estradas!

Das férias nas Flores - parte II


Com a ilha do Corvo ao fundo






segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Como se não fosse suficiente ter que voltar ao trabalho


Uma pessoa ainda é inundada com conversas sobre "o fim do Verão" e da praia e bla bla bla. 
Foi só Agosto que acabou, pessoas. Não foi o Verão. Esse deixem-no ficar quieto por cá mais umas semanas que está  muito bem assim, sim? Oh gente apressada!

Nota-se muito que este post foi escrito no meu último dia de férias e que isso não me deprime nem um bocadinho?