quinta-feira, 21 de Agosto de 2014

Cenário dos últimos três dias


Aquele sem o qual as férias de Verão não têm o mesmo sabor: Porto Santo.

sábado, 16 de Agosto de 2014

E eu que só queria um elástico...

Ganhei uma colecção inteira de jóias.
Estava eu no meu quarto aqui da Madeira quando decido abrir a gaveta das jóias e afins à procura de um elástico para o cabelo. Entre n caixas de jóias (e nada de elásticos) fiquei maravilhada com a quantidade de colares e afins que tinha para ali guardados, 80% dos quais me foram oferecidos em festas (desde o baptizado à comunhão solene) e que eu, que nunca fui muito dada a embonecar-me no que toca a jóias, já me tinha esquecido que existiam. 
Acontece que, de há uns meses para cá, deu-me para a vaidade e comecei a interessar-me por estas coisas. Resultado: "ganhei" uma colecção maior do que toda a que tenho em Lisboa, e que irá comigo na mala, no regresso. Coisas que eu já nem me lembrava que existiam, algumas das quais gosto mesmo muito!



Só falta aqui o meu preferido, que saltou logo para o meu pescoço (um fio curto simples com um pendente em forma de estrela. ou não tivesse eu uma adoração por estrelas).

sexta-feira, 15 de Agosto de 2014

Madeira


O dia começou às 6h30m, quando o despertador tocou, informando-me que eram horas de levantar o rabo da cama e encaminhá-lo para o aeroporto. Resisti às tentações da Victoria's Secret e às jóias (lindas!) de filigrana no aeroporto. Voo sem atrasos. Aterrei sã e salva. Abracinho bom do pai e da mãe. Coração ainda mais cheio ao ver a alegria no olhar dos meus avós quando me viram entrar pela porta da casa deles, ecom direito àquele abraço carregadinho de amor e saudade. Galinha caseira no forno. Tarde deitada na espreguiçadeira, em casa, ao sol, enquanto alternava entre dormitar e ler o meu livro. 
Segue-se uma dose de lapas para entrada do jantar (que saudaaaaades!) e caminhada à beira-mar.
Ainda nem 12 horas passaram desde que aterrei nesta ilha e já me sinto outra. Faz-me tão bem estar em casa.

quinta-feira, 14 de Agosto de 2014

Chegaram!


As 18h do dia 14 de Agosto chegaram e, com elas, as FÉRIAS! 
Depois de uma semana que, a nível profissional, não correu em nada conforme planeado, e em que, apesar das adversidades, consegui superar-me, estou tão cansada quanto satisfeita. E, se as férias já me iam saber bem, as férias depois de uma semana como esta vão saber ainda melhor.
Segue-se uma corrida à beira-rio (que bem preciso depois deste dia) e ultimar os preparativos da mala. Amanhã, pela fresquinha, estarei a caminho da minha Madeira...tão bom!


quarta-feira, 13 de Agosto de 2014

Notas soltas (ou de como a semana pré-férias não está a correr em nada como planeado)


Senhor namorado já está entregue ao comboio que o vai levar à terra, onde vai passar os primeiros dias de férias. A mim ainda me restam dois dias de trabalho antes de rumar ao colo dos papás, na Madeira.
Entretanto, com a chefe e a companheira-de-equipa-e-colega-de-secretária-meu-apoio-profissional-e-moral-em-tudo de férias, a três dias das minhas férias caíu-me um desafio profissional no colo, vindo do senhor chefe de Divisão, daqueles de me deixar tão feliz pela confiança depositada quanto borradinha de medo, que deve acontecer daqui a um mês (com duas semanas de férias pelo meio, ou seja, muito tempo para prepará-lo. not.), sendo que tenho que entregar, até amanhã, um resumo (em inglês) do caso que será eventualmente para apresentar nessa altura.
E é em momentos como este que eu invejo (tanto!) pessoas sem problemas em falar em público. A mim, é coisinha para me tirar o sono e dar umas valentes dores de barriga. E se for falar em público, em inglês técnico, num país estrangeiro, a coisa só piora umas 50 vezes. Mas eu hei-de conseguir. Enquanto o meu empenho e dedicação forem maiores que o meu medo eu hei-de sempre conseguir (agora só falta mesmo acreditar a sério nisto).

domingo, 10 de Agosto de 2014

Fim-de-semana em modo "estágio" para as férias


Finalmente voltámos a ter um fim-de-semana com tempo digno de fazer a viagem até à margem sul para umas horas de praia na Costa (por Lisboa, sei que não foi assim no país todo). E que bem que soube este "estágio" para as férias que estão mesmo aí à espreita.
Que vontade que eu tenho de passar duas semanas inteiras de chinelos e alpercatas nos pés, de calções e tops, de correr à beira-mar na minha Madeira, de encher os meus pais de beijinhos, e de comer a comida da mãe e da avó. 
Quatro dias. Já só faltam quatro dias.

sexta-feira, 8 de Agosto de 2014

Ainda estou a digerir o final


Mas confesso que já estou nostálgica. Afinal de contas foram nove anos de gargalhadas na companhia deles.

quinta-feira, 7 de Agosto de 2014

Com companhia é outra coisa


Tenho alguns colegas no trabalho (cada vez mais) que andam numa de correr. E agora estamos a começar a combinar ir treinar juntos lá na zona, ao final da tarde.
A semana passada foi a nossa estreia: éramos três e conseguimos pôr uma de nós, que nunca tinha corrido mais de 5 km seguidos, a fazer 7 km literalmente sem dar por eles. Hoje fomos pela segunda vez, éramos quatro pessoas e, mais uma vez, quase nem dei pelos kms a acumular nas pernas (hoje foram 8 kms).
Adoro este "contágio" de ter cada vez mais praticantes de desporto à minha volta, e espero mesmo que esteja para durar. Meia maratona, nos aguardji (ou pelo menos já acreditei menos que isso pudesse acontecer).

quarta-feira, 6 de Agosto de 2014

Dúvidas que me atormentam a alma em horário de trabalho em dias de Verão


Qual seria a minha produtividade (minha e de toda a gente que trabalhe sentada numa secretária) se trabalhasse deitada numa espreguiçadeira debaixo de um guarda sol à beira mar? 
Se algum dia quiserem fazer a experiência, voluntario-me para ser cobaia...


(ou de como o desespero pela chegada das férias me está a fritar os neurónios que ainda sobrevivem nesta altura do campeonato. em minha defesa, trabalhar num edifício da época do Marquês de Pombal sem ar condicionado não ajuda muito)

domingo, 3 de Agosto de 2014

Leituras

O ritmo de leituras de 2013 já vai longe. No ano passado, por esta altura, já tinha lido uns 20 livros. Este ano ainda só li 10. É o resultado de mais tempo passado a praticar desporto mas, verdade seja dita, principalmente de mais tempo a vaguear pela internet (antes o vício eram (só) os blogues, agora são blogues e as lojas online...).
Eis os contemplados dos últimos meses:

Que me perdoem os fãs mas o livro mais conhecido do García Marquez desiludiu-me bastante. Repetitivo e confuso (o facto de as gerações todas da família terem os mesmos nomes não ajuda muito). Acho que a história poderia ter ficado a meio que não se perdia nada.

Este é um romance passado na Segunda Guerra Mundial daqueles bastante dramáticos, como eu gosto, mas não pelos motivos mais comuns (este não mete judeus).

Mais um clássico riscado da lista. Gostei bastante.

A evolução da doença de uma mulher que descobre que tem Alzheimer aos 51 anos de idade. O livro prendeu-me completamente, e apesar de ser uma realidade que conheço bastante bem não deixou de ser dolorosa a leitura. Mas recomendo.

Não fiquei fã (de todo) do estilo da escrita. Apesar de não ser uma história tão leve como parece de início, lê-se muito bem (e o facto de existir um mistério por desvendar prende bastante). 
O que mais gostei foi do facto de não ter conseguido imaginar, em momento algum, qual seria o final do livro, por mais voltas que tivesse dado à cabeça. E eu gosto muito de finais inesperados.

quarta-feira, 30 de Julho de 2014

Da sensibilidade masculina

Estava eu ontem a escolher a roupa que ia usar hoje (se não o fizer de véspera é meio caminho andado para me atrasar). Agarrei num par de sapatos (o do lado esquerdo da imagem) e perguntei ao senhor meu namorado se achava que ficavam bem com um determinado par de calças. Ao que ele me pergunta: "Esses são os sapatos que usaste hoje, não são?". Ora, os sapatos que eu tinha usado são os do lado direito da imagem. Eu agarrei nos dois pares de sapatos, pu-los lado a lado e só perguntei "A sério, amor?".


Isto, ainda por cima, vindo de alguém que é dono destes três pares de sapatos (estes sim, completamente diferentes uns dos outros):


I rest my case.

Na verdade a culpa disto tudo é minha, que ainda me dou ao trabalho de lhe pedir opinião.

terça-feira, 29 de Julho de 2014

Coisas que mexem com o meu sistema nervoso


Pessoas completamente fúteis e sem valores que se põem a partilhar nos Facebooks e afins filosofias muito profundas. 
Gente que é péssima profissional e não faz o mínimo esforço para sequer disfarçar mas que se põe com grandes discursos de Madalena ofendida quando alguém critica a sua classe profissional. (quem não dá o exemplo devia ter vergonha na cara e ficar bem caladinho). 
Ciclistas que usam as regras dos peões e as dos veículos conforme lhes dá na veneta. (cheira-me que qualquer dia sou passada a ferro por um)
Gente que sai da casa de banho sem primeiro lavar as mãos.
Pessoas que não vivem de acordo com uma máxima que eu tanto prezo: "não faças aos outros o que não queres que te façam a ti".

Por hoje fico-me por aqui. Muito agradecida pela vossa atenção, já me sinto mais leve. Hoje passei por duas destas situações e tive vontade de esganar as intervenientes.

segunda-feira, 28 de Julho de 2014

Dois meses


Foi o tempo que eu (feita parva) demorei a arranjar coragem para estrear este macacão (o primeiro e único que tenho) porque, apesar de gostar imenso dele, tinha (tenho) receio que as aplicações o tornem demasiado festivo e pouco adequado ao trabalho. Mas hoje não me apeteceu esperar por um evento especial para o usar e lá arrisquei (vamos desvalorizar a parte em que passei o dia quase todo de casaco cheia de calor para tapar a parte das costas, que é ligeiramente aberta a meio). Passei o dia todo meia envergonhada mas consegui: tirei o macacão do armário!
Gelatina Maria - 1, Inseguranças - 0 (ou 0,5, pronto)


quarta-feira, 23 de Julho de 2014

Olha o recorde fresquinho!


Tenho que confessar que estou orgulhosa, caramba!

(a bem dizer é só a confirmação de um recorde, porque foi a segunda vez que fiz este percurso mas a primeira em que levei o telemóvel para registar o tempo)

terça-feira, 22 de Julho de 2014

A dress a day keeps the bad mood away #2


E se for um vestido por estrear ainda melhor.

Sei que não é o padrão mais adequado para alguém baixo e com um rabo que não é propriamente o mais pequeno do mundo, mas experimentei e gostei de me ver, pelo que os resto são pormenores.