quarta-feira, 20 de maio de 2015

Factos de extrema relevância que me fazem duvidar que ele é o tal

 
Pois que senhor meu namorado não gosta de:
Canela
Molho pesto
Abacate
Panquecas (juro! eles existem!)
Esparguete (a não ser que seja de massa fresca, aí já está tudo bem. é pouco fino, é)
 
Dúvidas, este homem enche-me de dúvidas!
 
(brincadeirinha, 'tá? mas que me dava um jeitão que ele gostasse lá isso dava, já que tomamos as refeições praticamente todas juntos e não dá jeito nenhum, seja qual de nós for que esteja a cozinhar, fazer duas versões da mesma comida)

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Do momento em que atingi o ponto de não retorno

No fim-de-semana fui passear à Baixa. A ideia era ver biquínis (que isto de começar uma época balnear sem ter qualquer coisa para estrear não tem a mesma piada). Ia começar pelo sítio que habitualmente mais me desgraça, a Mango, quando olho para o lado e reparo que lá está a Adidas, toda sorridente como que a chamar por mim. "Já que aqui estou...", pensei, e lá entrei. Ainda mal tinha entrado e uma das meninas já me estava a dizer que tinham mais sapatilhas no andar de cima. Bem, "já que aqui estou..." subi. Vi umas sapatilhas de corrida bem giras e mais baratas que as famosas ultra boost e caí no erro de perguntar ao rapaz que lá estava qual era a diferença entre aquelas e as ultra boost. Mas então não quer experimentar? "Já que aqui estou...".

Eram estas (são as sonic Boost). Super confortáveis, maleáveis e ainda por cima giras e, apesar de não terem ultra boost, pelo menos também não eram ultra caras. Mas já que ali estava, caí no grande erro de pedir para experimentar as tais das ultra boost. E foi aí que o caldo entornou. Mal as calcei e olhei para o espelho sabia que me tinha metido numa grande alhada. Afinal até eram giras, e mandam um estilo que aqui as Sonic não mandam (a sério, uma pessoa calça aqui e sente-se logo um corredor de meias maratonas, no mínimo. e sim, isto são pormenores de extrema relevância para uma vaidosa como eu). 
Não me consegui decidir na altura. Voltei para casa, passei dois dias a pensar no assunto, e hoje fui à loja, já (praticamente) decidida. E cometi, efetivamente, uma loucura.


Não só trouxe estas meninas para casa comigo como já as fui estrear ao final da tarde. 13 km em que quase voei (mas só mesmo porque estava um vendaval...ahah!). 



Agora a sério, aquela grande tira branca na sola pode não ser a coisa mais linda à face da Terra, mas que provoca um amortecimento que faz parecer que estamos a correr sob piso almofadado, isso posso garantir. Fiquei fã! 

domingo, 17 de maio de 2015

Há fins-de-semana mesmo bons

Tardes na praia.

A época das saladas está de volta.

O meu pequeno-almoço favorito de Lisboa (no Choupana Caffé).

E mais praia...que isto com 34ºC de máxima não dá para muito mais.

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Treinar com roupa nova é outra coisa


Que é como quem diz que houve desgraça no sítio do costume. A ver se enquanto faço as minhas corridas também dou alguma cor às minhas pernas.

Os calções estavam em promoção na Mango. Os soutiens também, mas estes são da H&M, e são para usar apenas como soutiens, que eu sou uma moça tímida e sinto-me demasiado descascada no ginásio sem uma camisola vestida.

domingo, 10 de maio de 2015

Dos fins-de-semana com sabor a Verão

Passeios a dois.

Com momentos de mimo e conversa pelo meio.


E hoje foi dia de praia.

Para o mês de Maio devo dizer que a água não estava nada fria.

Mas mesmo assim o máximo que fiz foi molhar as pernas (a culpa é toda do meu sangue madeirense , que lida muito mal com estas águas continentais, mesmo quando estão (supostamente) "quentes".

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Gelatina e senhor namorado por terras de sua majestade #2

Pelas ruas de Londres.


Tower of London

Parques lindos e gelaaados (e eu com os meus conjuntinhos primaveris todos catitas...acabei na H&M mais próxima a comprar um pullover de algodão quente em mega saldo, por £3).

Camden Market

Tomei o pequeno-almoço os três dias no meu antigo emprego. Aquele croissant de amêndoas e estas papas de aveia...era capaz de comer isto ao pequeno-almoço todos os dias.

Clichés londrinos

Portobello Market Road


terça-feira, 5 de maio de 2015

Gelatina e senhor namorado em terras de sua majestade #1

Olha quem é ele, todo lindão para não variar!

Estas cookies são qualquer coisa de fantástico!

Portobello Market

Vegetarianices no Borough Market (era bom, mas aqui que ninguém nos ouve o hambúrguer de veado dele estava 50 vezes melhor. mas não faz mal, vinguei-me nos brownies).

"Oh amor, tira-me uma foto a fazer aquilo que faço melhor em Londres" (logo depois de comer brownies e cookies, claro): contemplar o London Eye.


Camden Market.

segunda-feira, 4 de maio de 2015

There's no place like home


Tempos houve em que em deixava Londres sempre com o coração apertado, com alguma mágoa por ter durado tão pouco a fase tão (mas tão) feliz que vivi por lá (e quem me lê há mais tempo sabe bem disso). Tempos houve em que, se a vida me tivesse proporcionado uma oportunidade por lá que compensasse profissionalmente deixar o emprego que tenho por cá, eu iria, feliz e contente, sem pensar duas vezes.
Não sei se foi por desta vez ter lá ido com o meu amor - a pessoa 'culpada' por eu ter feito as pazes com Lisboa/Portugal - mas desta vez, mais do que em qualquer outra altura, visitei e regressei de Londres com outra sensação: a de alguém que já foi (e continua a ser, embora de forma inevitavelmente bastante diferente) muito feliz por lá, mas que neste momento pertence a Portugal. E essa sensação - a de estarmos no sítio certo - não tem preço.

Em princípio amanhã publico fotos londrinas aqui no blogue. Para quem ainda não o fez, podem ver também as que publiquei ali pelos lados do Instagram.


quinta-feira, 30 de abril de 2015

Por muito que eu viaje


As borboletas que sinto na barriga quando o destino é Londres são sempre especiais. E desta vez, em que vou (finalmente!!) dar a conhecer ao meu amor a cidade pela qual tenho uma paixão assolapada, a coisa tem tudo para correr bem. Muito bem!
Bom fim-de-semana prolongado, pessoas!


Quem quiser cuscar a minha viagem em tempo real pode sempre dar um saltinho aqui:
https://instagram.com/gelatinamorango/

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Desabafo da noite


Se eu tivesse metade (só metade) da pontaria para jogar nos Euromilhões e afins como tenho para escolher, no ginásio, os cacifos ao lado ou em baixo de toooda a gente que vai decidir tomar banho ou vestir-se ao mesmo tempo que eu, estava milionária.


Hoje mudei o meu saco de sítio, no mínimo, seis vezes. E já não era propriamente hora de ponta. E como são todas umas queridas tive que me mudar eu praticamente todas as vezes em que se verificou esta coincidência. 
[o facto de eu estar com humor de cão não deve ter ajudado muito a não conseguir evitar o desabado para aí à 10ª vez]

terça-feira, 28 de abril de 2015

Leituras

Nos últimos tempos, por coincidência, só tenho agarrado em dramas (ou porque me dava jeito levar um calhamaço para ir passar o fim-de-semana à terra de senhor namorado, ou porque me emprestaram, ou porque estava muito curiosa). Ora vamos a eles.

Eu queria ler algo desta autora, e este "Americanah" em especial, há já algum tempo. Narra a história duma nigeriana que emigra para os EUA. Bem escrito, história interessante, fiquei com vontade de conhecer mais livros desta senhora.

Este livro veio parar-me à mão como vêm muitos: rodou lá pela minha sala de trabalho e veio bater à minha secretária. É pequenito e, apesar de triste, é delicioso. Gostei imenso de matar saudades da Alice Vieira (não lhe pegava para aí há quê?... 15 anos?).

Disseram-me que este livro era "demasiado triste" e eu, como boa masoquista que sou, lá fui a correr comprá-lo (não literalmente mas quase). Pois que é meeeesmo triste, deprimente, pesado, filosófico e por isto custou-me um bocado a ler, confesso (apesar de nem 200 páginas ter).

Mais um drama nada leve (em todos os sentidos, já que tem quase 900 páginas), em relação ao qual eu estava muito curiosa e, provavelmente porque tinha as expectativas muito altas, desiludiu um bocadinho (mas só mesmo um bocadinho). Também tenciono conhecer mais da Donna Tartt (principalmente "A história secreta", que ao que consta é daqueles que vale muito a pena).

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Falta muito para o Natal?

(não há modelos giros, portanto mais vale ir pelos mais baratos (que mesmo assim são uma pequena fortuna))

Adidas ultra boost (aquela sola está longe de ser a coisa mais linda do mundo, mas diz que são as pantufas da corrida e os meus ricos pés estão cansados das bolhas e das unhas doridas).

O bicho bateu-me forte e feio, socorro!

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Dramas domésticos #2



Iamos a conversar no caminho para o trabalho. Ou melhor, eu achei que íamos, porque de repente apercebi-me que estava a falar para o boneco, já que ele tinha o pensamento bem longe. Amuei (com toda a legitimidade do mundo, diga-se de passagem) e calei-me.
Já no trabalho, recebi um mail dele:
"Já recebi o reembolso do IRS".
Resposta minha: "Eu também. Mas hoje só falo contigo sobre o extremamente essencial (até pedires desculpa)."
Resposta fofinha dele: "Então se eu aguentar até à meia noite de hoje estou desculpado sem pedir desculpa? Acho que aguento :)".
Nojento.


Alguém que me explique por favor como se mantém a seriedade perante uma resposta destas. Sacana do homem, que tem sempre uma forma de me fazer rir mesmo quando não me dá jeito nenhum.

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Peço, não peço...


...o divórcio.
Estávamos nós, no mês passado, a escolher um novo pacote de serviços da Meo, que deveria incluir o meu telemóvel. Eu, que percebo tanto de gigas e megas e afins como de mandarim, perguntei-lhe se 200mb de internet móvel era suficiente, ao que ele me responde qualquer coisa do género "Sim, dá para as tuas coisas". Confiei na sua vasta sabedoria e lá aderimos ao novo pacote.
Ora, estava eu ontem alegremente a passear pela internet no meu telemóvel quando recebo uma simpática mensagem a dizer que já esgotei o meu plafond mensal. No dia 22 de abril. (quando me espera hoje um dia inteiro de formação, em que o único computador em que vou pôr a vista é só e apenas o do formador. socorroooooo!)
Também... quem me manda a mim confiar num homem que nunca pôs os olhos num blogue (a não ser que seja sobre jogos) ou Instagram, e vai ao facebook de dois em dois anos?