terça-feira, 3 de março de 2015

Leituras

O Prémio Leya 2014 tem uma escrita brilhante. O meio do livro torna-se ligeiramente aborrecido mas tem um final completamente avassalador e inesperado que faz valer a pena pegar nele.

Queria ler alguma coisa do mais recente Prémio Nobel. Fui ao Goodreads pesquisar qual era o livro dele com melhor cotação e saíu-me este na rifa. Não há tradução em português (para já), mas também na minha opinião não se perde grande coisa. É chatinho, chatinho, ou então sou eu que, mais uma vez, não atingi a profundidade da coisa (tenho esse problema muito frequentemente com prémios nobel e sim, é bem capaz do problema estar em mim e não neles).

Há tanto tempo que queria ler este livro. Esperava uma coisa mais pesada, confesso (para quem não sabe gosto de dramas pesadões), mas isso só aconteceu no final. Mas gostei bastante do livro.

Depois de ler o "Melancia" e o "Los Angeles", da mesma autora e colecção, dos quais gostei bastante (são uma leitura leve e divertida), este não me entusiasmou tanto. 

Esta história lê-se em menos de meia hora e é tão bonita, tão bem escrita. Já conhecia o Ondjaki (escritor angolano) de ter lido "Os transparentes", que gostei muito, onde o autor faz uma crítica cheia de humor e sarcasmo da realidade de Luanda. Este "Uma escuridão bonita" tem um registo completamente diferente mas também é muito bom.

segunda-feira, 2 de março de 2015

Como tornar uma segunda-feira no dia mais esperado da semana



1. Ser uma lambona do pior.
2. Ter uma reserva marcada para a Restaurant Week, no Volver by Chakall.


Et voilá: é dia feliz na certa.

domingo, 1 de março de 2015

Balanço de um fim-de-semana passado entre comboios e a casa de sodôna sogra


Três episódios de séries vistos e 450 páginas deste camalhaço (tão bom!) despachadas.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Querida Mango

Já podes mandar vir a primeira promoção para a nova colecção que eu já estou preparada, sim?








terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Apostas gastronómicas

Já perdi a conta à quantidade de vezes que fui ao Mercado da Ribeira. Adoro o espaço, adoro a comida, adoro a diversidade. Só há um problema: é que eu quando gosto a sério de algum prato, tenho muiiita dificuldade em variar. E apercebi-me que 90% das vezes que lá vou dou a volta aos restaurantes todos e acabo sempre a comer o mesmo: o hambúrguer de salmão e choco do Prego da Peixaria. Senhor namorado não é melhor do que eu: acaba sempre no mesmo sítio que eu, a comer um prego qualquer (vai variando no molho, é a loucura!).
Na última vez que lá fomos, depois de fazermos o roteiro do costume e prestes a acabar no sítio de sempre, decidimos perder a cabeça e variar. E com isto decidimos fazer uma aposta (nós e as apostas, já perdi a conta a quantas estão em vigor neste momento), sendo que o primeiro a repetir um prato numa das próximas idas ao Mercado da Ribeira perde. E eu lá fui ao chefe Alexandre Silva e pedi um risotto negro com vieiras salteadas (bem bom, por sinal). Depois fui buscar a sobremesa ao sítio do costume (o Nós é mais bolos) e decidi arriscar num bolo de mousse de chocolate que era bom mas não me encheu as medidas (é por isto que eu tenho sempre receio de arriscar. mas é assim que se fazem grandes descobertas, eu sei).




segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Inspira, expira...


Eu: Que achas de irmos ao lugar X a seguir ao trabalho?
Ele: Se quiseres pode ser.
Eu: Eu perguntei o que tu achavas, não me respondeste a isso.
Ele: Tu tb não disseste o que achavas. Perguntaste o que eu achava.
Eu: Agora deu-me para sugerir programas que não me apetece fazer, queres ver? Mas esquece lá, com esta conversa perdi a vontade.
Ele: Não senhor. Nós vamos e pronto. Está decidido.

Não podia ter dado esta resposta logo de início em vez de me chatear primeiro? E as mulheres é que são complicadas, não é? Está certo.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Oficialmente viciada


Por um lado há as corridas ao ar livre, em que na maior parte das vezes tenho que fazer um esforço enorme para tirar o rabo de casa mas quando entro no ritmo até consigo tirar prazer daquilo. 
Depois há o zumba, que comecei a fazer há poucas semanas e estou tão viciada ao ponto de esta semana ter ido ao ginásio sozinha em dois dias que não costumo ir, sem esforço nenhum, só para fazer aquela aula. Houvesse zumba todos os dias da semana e eu era menina para me tornar a sócio mais assídua do gym.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Dramas literários

Eu queria, juro que queria ler os livros que tenho a ganhar pó na estante cá de casa, mas as minhas colegas com quem tenho uma espécie de clube de leitura, demoníacas que só elas, estão sempre a sugerir-me livros delas e eu tenho taaanta dificuldade em dizer que não. Neste momento tenho 5 livros emprestados em casa. Cinco!

(cá estão eles. para já estou a "tratar" dos dois primeiros a contar de cima)

Entretanto fiz uma espécie de compromisso comigo mesma, a ver se também despacho o que tenho cá em casa: alternar entre um livro emprestado e um livro meu. Mas não está fácil cumprir com isto, meus amigos, não está mesmo nada fácil. (e passei eu de pessoa que não lia livros emprestados (tinha a mania que gostava de ter a propriedade de tudo o que lia) para isto em tão pouco tempo...)

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Do masoquismo

Quem é que se inscreve voluntariamente (!) para uma corrida que implica acordar, num domingo de manhã, mais cedo do que durante a semana? Quem é que, no seu perfeito juízo, faz uma coisa destas, senhores? Quem?!


Em minha defesa, foram muitos os olhares de desdém por parte da minha equipa de corrida (don't ask...meto-me em cada uma!), que já me tratam como um caso perdido (porque normalmente eu até arranjo desculpas válidas para não comparecer aos treinos e afins, mas este fim-de-semana não consegui arranjar nenhum pretexto válido para escapar, caraças!). A modos que o orgulho falou mais alto e lá vou eu mostrar-lhe que ainda estou aí para as curvas (ou não. a ver vamos). 
Eu devia mas era deixar de dar-me com gente ainda mais doida do que eu, essa é que é essa.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Séries

As que tenho em dia e estou em pulgas para que recomecem (que é como quem diz as preferidas):







As que me vão "consolando" nos entretantos:




E ainda há as que estão em lista de espera, mas essas ficarão para um outro post.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Prendas

Duas semanas passadas desde o meu aniversário e uns dias desde o dia dos namorados, eis que encerrei as ocasiões especiais de receber prendas até dezembro (deprimêeeencia!...ok, em junho devo receber uma prendinha pelos anos de namoro). Aqui ficam os inquilinos mais recentes lá de casa, ofertas da família próxima e de senhor namorado (tudo 100% escolhido por mim. não houve surpresas, mas também não houve desilusões.)

A parka, que me deu um jeitão nas férias em França (é mega quente).

Saco novo para o gym (o meu antigo tinha para aí 10 anos, no mínimo)

O que eu procurei por um casaco de pele desta cor. Finalmente apareceu "o tal". Da Mango.


Ia de olho na mala de bolinhas mas tinha um brilho que me fez preferir esta, que é a coisa mais linda e tem o tom de vermelho perfeito. (E a Guess é uma fofinha e dá 20% de desconto às clientes no mês seguinte ao aniversário)


O único dos lenços da Pepe Jeans que sobreviveu à minha aposta com senhor namorado (que é como quem diz a fevereiro).

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Back on track (ou pelo menos com vontade para tal)

Nos últimos tempos quase tinha conseguido convencer-me a mim própria que não gosto de correr. Pudera, com a hora de inverno e um horário de trabalho de segunda a sexta das 9h às 18h, limitava-me a fazer uns quilometrozitos (a muito custo) na passadeira do ginásio (porque tenho "ordens" de senhor namorado de não correr à noite sozinha. sim, não tem vontade de me acompanhar mas dá-se ao luxo de fazer exigências do género). 


Ontem, por falta de tempo para ir ao ginásio e porque já começa a escurecer mais tarde, voltei a sair direta do trabalho para a minha corrida à beira-rio e apesar da distância não ter sido muita (não tardou muito já estava a escurecer), enchi-me de coragem e fiz a minha primeira subida (daquelas dignas desse nome) em modo corrida: fui do Terreiro do Paço até à Graça, sem parar. Não sei distâncias, tempos, nada do que fiz (senhor runkeeper - a app que uso para correr - esteve parado tanto tempo que decidiu entrar em coma), mas sei que acabei a corrida feliz da vida, a pensar que afinal até gosto disto, e que com o aproximar da Primavera tenho que voltar a fazê-lo com mais frequência. A ver vamos se passo das intenções.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Deparei-me com estas duas no fim-de-semana


E descobri que, afinal, o amor à primeira vista existe.


segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

O privilégio que é



Ter tudo isto a poucos passos de casa. Ou de como os passeios como os da tarde de ontem me sabem sempre pela vida.

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Ai tiveste o dia de aniversário mais light de sempre porque estavas mal do estômago?


Não faz mal, compensa-se com uma semana de atraso. (aqui entre nós que ninguém nos ouve eu compensei mas foi a semana toda - que isto depois de uns dias sem apetite apetece-me comer este mundo e o outro - mas isso não interessa nada). Com uma das melhores sobremesas que conheço: o brownie com gelado do Hard Rock Café (que voltou a ser servido em versão gigante e eu, que não contava com isso e fui lá logo depois do almoço, nem com a mísera ajuda de senhor namorado consegui acabá-lo. pela primeira vez na minha vida.  até me doeu a alma tamanho desperdício).
E depois ainda decidi oferecer um mimo a mim própria:


Este livro, que tem todos os ingredientes para me prender desde a primeira página, e que já tinha debaixo de olho há mais de um ano (mas nada de aparecer no Olx, o safado).