quinta-feira, 27 de Novembro de 2014

Please make them stop!


Socorro, não páram me de chover e-mails demoníacos!
Ele é a Pepe Jeans que está com 40% de desconto em tudo até às 23h de hoje, ele é a Zara que vai ter 20% em tudo amanhã, ele é a Mango que vai ter 30% em tudo de amanhã a Domingo. 
Isto de serem as minhas lojas preferidas todas duma vez não está com nada, senhores, é que uma pessoa nem sabe para que lado se vira .Se bem que não se devia virar era para lado nenhum, que as minhas necessidades de roupa, a bem dizer, são zero.


Posso sempre aproveitar para tratar de alguma prenda de Natal, nem que seja para mim própria.

Lancem os foguetes


Demorei três meses a ler isto, t-r-ê-s! Diz que ganhou o Man Booker Prize em 2010. Pois eu digo que é uma grandessíssima seca. 
É só a coisa mais chata que li na última década. E mesmo assim aguentei até à última página (com a leitura de outro livro pelo meio, senão arriscava-me a morrer de tédio). Masoquista, eu? Que ideia!


O meu salvador nos entretantos foi este, que papei em três tempos. Está muitíssimo longe de ser uma obra prima, mas era mesmo o que eu estava a precisar. Leve, divertido e dá vontade de ler tudo duma vez, tal é a curiosidade que desperta pela continuação da história. Neste momento estou a ler outro da mesma colecção (estou tão traumatizada que não consigo pegar ainda em livros com muita substância), chama-se Los Angeles, e a minha opinião, para já, é semelhante à do primeiro.

quarta-feira, 26 de Novembro de 2014

Dos vizinhos que nos aterraram no andar de cima há uns meses


Um casal em lua-de-mel (daqueles que não é propriamente discreto a expressar o amor que os assola). Que tem o quarto exactamente por cima do nosso. Num prédio mais velho do que os meus tetra-avós. 
Não é preciso explicar mais nada, pois não?

terça-feira, 25 de Novembro de 2014

Terça-feira

Estreei a minha camisola preta às bolinhas brancas e recebi elogios das colegas.
Recebi a pulseira personalizada que encomendei para oferecer a sodôna mãe no Natal, e ficou absolutamente fantástica.
Acabei a parte mais difícil de um trabalho (muito, muito) chato que me anda a atormentar há meses.
Terminei a tarde com a minha aula preferida no gym com o meu professor preferido.
Tirei do estendal a segunda máquina de roupa em dois dias (obrigada pelas tréguas S. Pedro, podes voltar à carga).
Há dias bem piores.

A camisola nova é esta...

E foi usada com estes calções...

...este casaco, e umas sabrinas pretas.

Sabe tão bem usar roupa nova, não sabe?

segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

Esta minha vizinhança...


Já vimos um pouco de tudo na zona onde moramos (há quase dois anos). Ou achava eu que tínhamos visto. Infelizmente, a vista da nossa janela, tanto a da sala como a do quarto, é o prédio da frente, que é arrendado a turistas, pelo que, na maioria do tempo, temos sempre as cortinas fechadas. Pois que hoje senhor namorado ia todo descontraído deitar um olho à rua (através da janela que tem vista para uma casa-de-banho) quando se vira para mim com ar de susto e me diz "Tu não vais acreditar no que eu acabei de ver.". Claro que não resisti à curiosidade e deitei o olho. 
Pois não é que a nossa vizinha temporária achou que era boa ideia fazer um number 2 de janela escancarada, descontraída da sua vida? Fechámos a cortina e desatámos às gargalhadas. 
É isso ou desatar a chorar com a quantidade de cenas surreais que presenciamos aqui nas redondezas. Mesmo...

domingo, 23 de Novembro de 2014

És uma mulher ou um rato, Gelatina Maria?

Andei a namorar este casaco durante umas semanas. Ontem lá fui à Zara experimentá-lo. Gostei (muito) dele, e a minha amiga também me deu parecer positivo. O único senão: o medo de ser olhada de lado quando chegasse ao trabalho vestida com isto. Mesmo que eu, racionalmente, ache que não há problema absolutamente nenhum em usá-lo nesse contexto, não fico ridícula, o casaco tem bom ar, é uma lareira ambulante e, mais importante de tudo (ou que deveria ser, pelo menos), gosto dele e sinto-me bem com ele. Fiz todo este discurso em voz alta e convenci-me a mim mesma. Toca então de trazê-lo para casa.
Pois que vai de chegar a casa toda contente, vesti-lo para mostrar a senhor namorado, e é ver todo um ar de susto a assolar o rapaz.
Eu jurei-lhe a pés juntos que é moda e que há montes de modelos à venda em todas as lojas. Ele jura a pés juntos que ainda não viu ninguém na rua com isto (damn it! a verdade é que eu também não.). E com isto, claro que todas as minhas inseguranças voltaram, e a vontade de ir devolvê-lo também. Acontece que eu gosto do casaco (já tinha dito, não já?) e se o fizer quer apenas dizer que sou um rato, sem um pingo de personalidade. E tenho dito. 





sábado, 22 de Novembro de 2014

Sábado


Diz que é dia das Marias irem às compras. Depois de meses sem pôr os pés no Colombo, temo seriamente pela saúde da minha carteira...

sexta-feira, 21 de Novembro de 2014

Eu sei que qualquer pessoa consegue pensar em 564 formas mais interessantes de começar o fim-de-semana


Mas eu gosto mesmo da calma que se faz sentir no ginásio nos finais de tarde de sexta-feira (por contraste com os restantes dias da semana). Para além de que é o único dia da semana em que consigo fazer Body Attack, a minha segunda aula preferida (nada bate o Sh Bam - que é dança) por causa do horário.
Depois disso ainda sabe melhor alapar o rabo no sofá e agarrar-me aos livros e séries (mais uma vez, pode haver 564 formas mais giras de acabar uma sexta-feira, mas eu à noite sou muito caseira, que é que se há-de fazer?).

terça-feira, 18 de Novembro de 2014

Eu mereço (ou como eu queria saber mentir...)


Tenho uma colega (ligeiramente irritante) que se veste de forma muito básica (calças e camisa de 2a a 6a) mas que acha que percebe muito de moda e de marcas. A dita colega comprou um vestido pela internet e mandou entregar lá no trabalho. No dia em que ele chegou, lá entrou ela pela sala toda contente com a sua encomenda na mão.
 Eu ainda resisti durante alguns segundos (só mesmo porque ele me irrita um bocado) mas não aguentei a curiosidade e lá me levantei para ir ver o dito cujo. Chego à frente da minha colega e vejo o terror em forma de vestido (na minha modesta opinião, que vale o que vale): renda na parte do peito e braços (até aqui tudo bem), veludo em tudo o resto, comprido justo ao corpo, cor bordeaux. Enfim, uma coisa de meter medo ao susto. 
E o que é que Gelatina Maria diz à dona do vestido? Ela não sabe, mas o que eu lhe disse foi um enorme elogio "Não te imaginava nada com isso, não tem a tua cara". E depois lá soltei um "a cor é gira" a muito custo, arrependida com quantos cabelos tenho do momento em que decidi deixar o que estava a fazer para alimentar a (sacana da) minha veia cusca. 
É da maneira que para a próxima aguento muito bem a minha curiosidade, podem crer que aguento!

domingo, 16 de Novembro de 2014

Chocoólicos anónimos



Olá, o meu nome é Gelatina e não como chocolate há 4 dias. Fruto da brilhante ideia que tive, na última vez que fui ao supermercado, de passar por eles como se nada fosse, armada em "vou-me portar bem esta semana".
Da próxima vez que eu tiver uma ideia peregrina destas alguém que me ponha juízo na cabeça, por favor. É que já quase tenho alucinações depois das refeições (a minha altura crítica).


É hoje a minha grande vingança, é hoje!

sábado, 15 de Novembro de 2014

Eu sabia que tinha que haver alguma vantagem em ter 1,58m!

Pois que, cansada de experimentar XS de adulto que me ficam ou compridos ou largos, aventurei-me pela secção de criança da Zara. E para além do número maior me servir na perfeição, têm um preço bastante mais simpático que a secção de adulto.
O resultado das últimas visitas (e pesquisas online) foi este:

17,95€

25,95€

25,95€

Três vestidos com padrões discretos (outra coisa que sinto falta nas colecções de adulto: os vestidos ou são todos duma cor, ou têm padrões demasiado coloridos para o meu gosto) por menos de 70€.
Finalmente o meu 1,58m (e a minha ausência de mamas) me trazem alguma coisa de positivo. 


E ainda fiquei de olho neste botins lindos que só eles, também da secção de criança, que só ainda não vieram cá para casa porque já tenho uns botins pretos (que, em minha defesa, foram o par que mais usei no inverno passado, tal é o jeito que fazem. portanto é capaz de não ser assim tão mal pensado arranjar um par "de reserva". é ou não é uma boa desculpa?):


quinta-feira, 13 de Novembro de 2014

Aliadas de batalha (ou das invenções maravilhosas)

As minhas heroínas, ainda molhadas da guerra de hoje.

Goste-se ou não, há que admitir que, num dia como o de hoje (pelo menos por Lisboa) e ainda por cima para quem, como eu, tem que andar a pé (vou a pé para o trabalho e ainda almoço em casa - no total ando 40 minutos por dia) não há nada melhor para os pés do que galochas.
 Melhor que elas - para mim, que não as acho o calçado mais elegante do mundo e mesmo que achasse não convém usá-las no meu trabalho - só mesmo estas minhas hunter de borracha liiindas e impenetráveis (oferecidas por senhor namorado no Natal passado). Ou as minhas Lemon Jelly compradas este ano. Obrigada a quem inventou as botas impermeáveis e estilosas. Isto sim, é uma invenção e pêras!
Depois desta invenção (e do alisamento progressivo no cabelo!) os dias de chuva parecem bem menos cinzentos. Pelo menos para mim.

terça-feira, 11 de Novembro de 2014

Coincidências, esta vida é só coincidências


Como o facto do meu professor de dança lá no gym (de quem eu sou mega fã) só saber o nome das "clientes" habituais e meter-se com elas a meio da aula (sempre na palhaçada, que é o que ele sabe fazer melhor) nos dias em que a  enjoada da namorada não está lá.
Coincidências da vida, é o que é.

segunda-feira, 10 de Novembro de 2014

Então e o Outono, hein?


Não há maneira do meu sangue madeirense habituar-se a esta coisa de numa semana estar a usar sandálias e na outra já estar a precisar do sobretudo. Então e o Outono, cadê?

domingo, 9 de Novembro de 2014

Diz que só vai durar até eu ter filhos...


Passei o fim-de-semana na casa de sodôna sogra, onde também estavam cunhados e sobrinha de 15 meses e a avó de senhor namorado. 
Esta manhã começaram todos a comentar o berreiro que a miúda fez durante a noite (coitadinha, está doente) - coisa que durou mais de uma hora, ao que consta - e Gelatina Maria - que só dormiu no quarto mesmo em frente ao da criança - põe-se a olhar para eles com ar de quem "Mas eu dormi na mesma casa que vocês? De que é que estão a falar?".
Abençoado sono o meu, que filtra todo e qualquer choro de criança. Já em França, quando cuidei dos meus mini francesinhos, o miúdo (na altura com quatro anos) volta e meia chorava durante a noite (num quarto encostado ao meu) e Gelatina Maria continuava o seu sono de beleza como se nada fosse (relaxem que eu não tinha responsabilidades para com as crianças durante a noite).
Dizem que quando se é mãe (ou pai) passa-se a dormir com o olho aberto e um fechado, mas até lá deixem-me mas é aproveitar esta minha aptidão que me dá um jeitão em ocasiões como esta.


Quem não acha tanta piada a esta minha característica é senhor namorado, que passou a tal hora a rebolar na cama e a praguejar sem qualquer tipo de resposta da minha parte. Pobre homem...